Logo-2017

Tapioca de raiz é uma piadinha infame pra chamar atenção com o título do post, não ligue.
Esta tapioca é o tipo mais gostoso que já experimentei. E, embora seja meio trabalhosa de fazer, pode ser preparada no modo preguiça com resultados incríveis também.

Tudo o que você vai precisar é: mandioca, um ralador ou um liquidificador, uma chapa de ferro bem quente (e talvez um tiquinho de óleo. Talvez não).



Tahine (ou seria tahini?) é: gergelim tostado moído até se transformar numa pasta. Conhece?
Eu conheci por toda a vida o tahine comprado, que uso em várias refeições/receitas, e não me lembro muito de ter pensado em fazê-lo em casa.
Mas, meus queridos, morar em cidade pequenininha e ter uma grande vontade de comer algo específico pode abrir portas, sabia?
Num dia em que eu estava animadíssima pra comer comida árabe, comprei berinjelas, grão de bico, gergelim, e fiz tudo do zero. Foi ótimo porque me dei conta do quanto é rápido e simples, e tão tão delicioso.


Nesse tempo em que o verão começa a chegar, plantas crescem, fermentos borbulham, e os prazos começam a ficar curtos. A cabeça da gente está tão cheia, que tudo o que se pede é um refresco - um sopro de vida.
Um ótimo jeito de lidar é beber bastante água (e um pouco de cerveja de vez em quando ;). Outro ótimo jeito é caprichar nas saladas com grãos e sementes germinados.

No processo de germinação, as sementes e grãos liberam toda a energia que têm armazenada, com o intuito de nutrir a nova plantinha que está nascendo. Assim, além de ter mais nutrientes disponíveis neste momento, estes ficam mais fáceis de digerir e assimilar.
Juntando com verduras de raiz, de fruto, de folha e um bom molho, dá pra saciar a fome de maneira leve e prática. Essa salada vai muito bem em marmitas e almoços apressados. Vem ver como se faz!


De manhã, cérebro começando a funcionar (mais ou menos).
O corpo ainda morno da cama, e os pensamentos ainda gostosamente vazios, aos poucos lembrando os compromissos do dia, se precisa levar guarda-chuva, qual roupa usar.
Cortar umas frutas, coar café, aquecer o leite para a primeira refeição. Na pressa, fogo alto.

Se o leite for de vaca, pode acabar entornando espuma no fogão e lá se vai a paz de espírito.
Se for leite vegetal, a surpresa chata pode ser outra: que o leite talha sob altas temperaturas, sabe? Fica uma porção aguada misturada com uns grumos, nada atraente.

Como lidar?


Tenho sorte de ter amigos com quem aprendo um monte de coisas. Por exemplo, uma moça que é minha amiga há uns 300 anos, a Flávia. A gente toda a vida troca receitas, e recomendações de leituras, e impressões sobre a vida de maneira geral.
Costumo considerar que, se estou indo com o milho, lá vem ela com o fubá. No caso de hoje, temos o leite de amendoim.
Do jeito que eu preparo, leva mais ou menos um dia. Do jeito dela, são só uns minutinhos – o que vem bem a calhar quando estou com um bolo no forno e lembro que me falta o leite para a calda.


Assim como na literatura, acredito que na culinária as traduções acontecem a toda hora. Essa tentativa de dizer a mesma coisa com palavras de outra língua (ou ingredientes de outra terra), sabe?
É claro que nunca fica a mesma coisa e, se me perdoam a falta de purismo, considero algumas versões “traduzidas” ficam muito melhores que o original.

Depois de anos convivendo com o maravilhoso molho pesto nos almoços de família, tive oportunidade de prova-lo em uma cantina italiana super tradicional de São Paulo – e não achei a menor graça.


Aquela velha e boa receita de quiche feita com farinha de trigo integral e azeite de oliva é um coringa para os almoços aqui em casa, que sempre resulta em barriga feliz.
A gente fica fadado ao sucesso: é rápida de preparar, tem casquinha crocante e recheio cremoso, é prática para servir (pode ser feita com antecedência, congelada, reaquecida), e junto com uma salada farta alimenta muito bem.

Daí, olhando os ingredientes à mão, resolvi dar uma abrasileirada no recheio trocando o clássico creme de queijo e ovos por (tcham tcham tcham) abóbora com coco. Rapaz, que coisa mais boa!

Quando fui convidada para participar da campanha #FoodLovers da Filippo Berio, a Kara me perguntou por receitas que contassem um pouco ao mundo como que a gente incorpora o azeite de oliva em receitas e ingredientes que são muito nossos. Penso que junta-lo a cebola, abóbora e coco é um jeito ;)

Vem cá, que em uma hora a gente deixa pronto o almoço de amanhã!


2

Mas o quê? Raízes no café da manhã?!

01/07/2016 - 2 Comentários - Receitas | Abóbora, Batata, Batata doce, Inhame

Se lhe parece esquisito comer inhame, aipim, batata doce ou batata no lugar do pão, vamos pensar juntos um minuto:
- Diferente do pão, raízes (ou até mesmo um pedaço de abóbora) não tem como dar trabalho no preparo. Ou a gente põe em uma panela com água fria e leva a cozinhar até que esteja macio, ou leva ao forno médio em forma coberta com papel manteiga e deixa assar até ficar macio. Em no máximo 1 hora fica pronto o carboidrato pro café da manhã. (É claro que costumo fazer isso com antecedência, e em geral deixo pronta uma quantidade suficiente para a semana).
- Não tem glúten, nem lactose, nem soja, nem produtos animais, nem aditivos químicos...
- Não é refinado nem processado.
- É muito gostoso.

Quero mais o quê?


Existir não é um negócio simples, embora haja momentos absolutamente deliciosos nessa vida.
Dizem por aí que na adolescência a gente passa por questionamentos, dúvidas e tudo o mais. Mas, seriamente, há quem possa dizer que passou dos 20 e agora sabe o que fazer com tudo isso que a gente é?
Eu continuo sem saber, de verdade.

Quando eu morava em Sampa e esse sentimento ficava muito grande, no primeiro dia que tivesse folga ia para a Liberdade. É um lugar que sempre me fascinou, desde os primeiros meses na cidade. Percorrendo 4 estações de metrô, eu chegava a outro mundo. Bonito, intrigante, incompreensível. Ia passear, me perder nas ruazinhas, e por algumas horas absorvia o lugar só com os sentidos, sem pensar, sem tentar entender. Me reconfortava essa sensação de ser estrangeira.
E tem uma comida que pra mim resume e traz à tona todo esse clima: lámen.


Lembra o famoso ditado, “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”.
Bom, faz sentido pra mim.
Se eu pintar um cavalo de listrado, não é a mesma coisa que uma zebra. Pode ter um jeitão parecido, e eu nem sei de fato qual é a diferença, mas sei que existe.
Certamente há quem me considere obtusa mas, pra mim, dizer “omelete sem ovos” é um contrassenso (no entanto, preparo e almoço feliz da vida uma fritada de grão de bico).

Suponho que para muita gente, pode parecer que as pessoas “naturebas”, “vegetarianas”, “veganas”, “paleo”, que não comem glúten ou laticínios, todas são parte de um mesmo grupo coeso.
Como se pode imaginar, isso não é verdade.
Cada um tem lá seus motivos para fazer as escolhas que faz, e mesmo pessoas que tenham uma dieta muito parecida, podem ter motivações muito distintas.


Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto.

É Junho, então é época de aproveitar as festas juninas por aí. Aqui em São Paulo dá pra achar festas das mais distintas tradições, pratos típicos variados. Mas se tem uma constante em toda festa junina que se preze é a fogazza. Não? Bem, então é a constante na festa junina aqui do lado da minha casa. O que está ótimo pra mim.


0

Comida de rua - Arepas colombianas.

08/05/2015 - 0 Comentários - Comida de rua | carne, Milho

Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto.


Conheci a culinária da Colômbia através de um amigo de lá que morou aqui em São Paulo. A primeira vez que comi foi em uma feirinha gastronômica que fui com ele e uns amigos, comi as pequenas empanadas deliciosas e provei o suco de limão com côco. Eu sou um cara que tem um paladar meio infantil, resisto a comidas “chatas”, mas combinações pra nós inusitadas geralmente me deixam no mínimo curioso. Não sou muito fã de côco, mas na limonada? Maravilha. E empanadas com amendoím? Fica uma delícia.

Saí de lá com uma boa impressão do que provei e curti a banquinha, Sabores de Mi Tierra. Meus amigos falaram que eles tinham um restaurante perto da Benedito Calixto e que eu deveria visitar um dia.

Passaram-se algumas semanas e fomos no restaurante, uma casa pequena na frente do Instituto Goethe. Era dia de copa – e mais, dia de jogo da Colômbia. O time de James Rodriguez e Quadrado havia ganhado, então o lugar estava lotado e em festa. Era bem apertado as mesas ficavam na garagem inclinada da casa. É meio incômodo comer em um lugar inclinado, mas o clima era legal, a galera toda com o uniforme da seleção (pra mim o mais bonito desta última copa) e ainda estava passando Italia vs Inglaterra na TV, um dos melhores jogos da primeira fase. Foi ali que provei a arepa, prato mais que típico da Colômbia (e Venezuela). Era um pão diferente recheado de costelinha de porco. E assim que dei a primeira mordida virou um favorito meu. Vale também provar os patacones, que são basicamente os mesmos recheios das arepas só que servidos em cima de uma massa crocante feita com banana da terra – parece um doritão mais gostoso.

Voltei lá esta vez em um sábado meio frio e encontrei o pico lotado. Ao invés de torcedores agora era a convenção nacional de hipsters da Vila Madalena que tomava todos os lugares. Pinheiros tem dessas coisas. Mas se é bom e o lugar continua no mesmo espírito, não tem por que reclamar. E esse é o caso.


Ando meio filosófica, pensativa, lendo sobre diferentes modos de entender a vida, o quotidiano, espiritualidade. Talvez não faça lá muito sentido do jeito que falo, mas o fato é que ando prestando atenção no que é que cada situação me traz.
Assim como to interessadíssima em estudar maneiras de prestar atenção ao corpo, quero prestar atenção nas maneiras de me/nos relacionar com as pessoas ao redor e as situações que aparecem a cada 5 minutos.
"E daí?" você me pergunta. 

Daí que pedalando por Pomerode reparei nas goiabeiras carregadas, dando tanta fruta que a gente mal sabe o que fazer com tudo isso.
Lembrei que a Dede, uma amigona, me disse que deveria publicar uma receita de frapuccino - uma bebida doce, cremosa e refrescante, que ela gosta de tomar no starbucks.

A rigor, frapuccino é uma  versão de frappé. Era pra ser uma bebida batida até se tornar aerada e cheia de bolhinhas, costuma levar café e é comum adicionar açúcar, baunilha, creme.
E qual é a diferença em relação a vitaminas, café gelado, capuccino gelado? Bom, é um pouco difícil definir. Ao que parece, a diferença está justamente nas bolhinhas, no ar incorporado. Pra isso, se bate no liquidificador por mais tempo.


Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto.

É engraçado que este post é um que vem sendo planejado desde que a Flora me convidou pra fazer essa coluna. Quando falei que pretendia não fazer algo exclusivo para comidas de barraquinhas de rua eu estava pensando no lámen do Aska e sei que ela também sempre achou válido. Só demorei  pra escrever porque fica no limite mesmo das definições auto impostas desse espaço. Afinal, é dentro de um restaurante, tem fila na porta – que fica fechada, aliás. Parece algo que não encaixa no conceito daqui. Mas quem conhece o Aska acho que entende um pouco a escolha.

Porque lámen não é uma comida de rua, mas é uma comida rápida, pra ser devorada em um balcão – ou em uma mesa comum, dividida entre estranhos – e dar aquela forrada no estômago sem enrolação.  Por isso ele está aqui. E porque o Aska é um lugar que funciona nessas normas rígidas da comida rápida: se enrolar te apressam até você sair fora.


 

Faz alguns meses, diminuí o consumo de laticínios e ovos em casa. Por nenhum motivo muito específico, é só que não ando lá com muita vontade de comê-los, e além disso são produtos extremamente perecíveis. Não é algo que dá pra comprar e deixar na geladeira por trezentos anos para consumir de ver em nunca (os ovos até que dá, mas enfim).
Um pouco por esses motivos, um pouco pelo desafio de fazer comida gostosa sem esses ingredientes - que estão em praticamente qualquer receita - meio que deixei de comprá-los. O engraçado é que demora pra pensarmos em cozinhar de fato sem laticínios e ovos. O que acontece mesmo é usarmos as mesmas receitas adaptadas com substitutos.
Aí fiquei experimentando, procurando modos de preparar leites vegetais, e hoje estou dividindo o que se tornou minha receita básica para fazê-lo com oleaginosas.


Quando ainda estava na faculdade, se eu sabia que ia ter um período de trabalho intenso, comprava uma meia dúzia de pacotes de miojo e deixava no armário para "casos de emergência" (leia-se "casos de chegar da rua com fome e cansada, querendo apenas tomar banho e capotar").
Mas né? Miojo não é o tipo da coisa que costuma frequentar minha cozinha, devido a quantidade de tranqueiras industrializadas em sua composição. Conversando com um amigo sobre o impasse, ele deu uma idéia muito boa de substituição. Depois, pensando mais sobre o tema "miojo", cheguei a uma conclusão meio filosófica sobre o problema. Vejamos.


Todas as imagens e o texto neste post são de autoria de Gabriel Marzinotto, com colaboração de Catharina Strobel.


Na minha primeira coluna falei do Churrasco Grego e comentei que pra mim ela seria quase a comida-símbolo deste espaço. Quando penso em comida de rua, comentei, penso nos carrinhos espalhados pelo centro com aqueles belos espetos de carne.  Mas tem outra comida, mais famosa e popular, que desafia esse reinado na minha cabeça.

A coxinha.

É a rainha dos salgados de balcão, encontrada em todos os lugares - de botecos a restaurantes da alta gastronomia. E sem problemas. É possível comer uma diminuta versão gourmet cheia de nove horas em um food truck por quase 10 reais ou atravessar a rua e pedir uma coxa enorme no bar e gastar poucos reais.

Quando decidi escrever sobre a coxinha logo pensei em colar naquelas mais famosas para descobrir  qual é a melhor. A do Frangó, na Zona Norte? Ou as do Veloso na Vila Mariana? Alguns defendem a versão da padaria Barcelona no coração do Higienópolis. Mas no fim achei que ia ser meio lugar comum e meio... bobo. Já existem mil matérias (eu contei) pela internet, fora os guias anuais que sempre votam na melhor versão do petisco.

Qual é a melhor coxinha? Sei lá. Já provei as famosas, são boas mesmo. Mas são pequenas, são caras, e no final acho que as melhores que já comi foram em alguma festa aqui em casa, quando comprávamos o cento da Dona Maria, japonesa aqui da Mooca. Principalmente porque eu podia comer umas dez seguidas.

Então mudei um pouco o esquema e fui em um lugar que eu adoro dar uma passada e que tem uma versão arrebatadora do prato – esta sim a melhor da cidade: a Coxa-Creme do Estadão. Pera, não é uma coxinha! Não, mas meio que é. E é gigante, barata e subestimada.


Quando a gente sai pra comer em um buffet ou restaurante por quilo, sempre tem muito mais opções do que caberia civilizadamente em um prato. É claro, um truque meio safado desses restaurantes é apelar para o comilão que existe dentro de cada um e nos deixar com vontade de experimentar tudo (ahem... comigo não é difícil).
Às vezes, uma das opções que me deixa com água na boca é justamente aquela torta Madalena. Sabe? É meio torta, meio empadão: leva uma camada de carne moída temperada com verduras no fundo da assadeira, coberta com uma camada de purê de batata fofinho.
Me parece um belíssimo almoço! Só pôr uma salada crua do lado, e sucesso.
Só que não gosto de carne e não como carne, então nunca dá pé experimentar o prato. A mesma coisa me acontece no caso do escondidinho, que é praticamente a mesma coisa, apenas substituindo o purê de batata por purê de mandioca, e a carne moída por carne seca desfiada.
Ô vida.
Aí, um belo dia preparei minha própria versão com as verduras que tinha em casa.
Os onívoros na platéia talvez continuem preferindo a versão com carne sempre, mas pra vocês aí que querem dar uma variada, ou que também não comem carne, recomendo muito experimentar a receita.


Eu duvido, sinceramente, que exista alguém que não goste de pastel. Claro que não estou falando de pastéis meio frios, meio murchos, pingando óleo. Não.
Estou falando de pastel fresco, quentinho, crocante, caprichado. Frito em óleo novo. Desse aí não é possível desgostar.
Um feliz complemento eventual ao almoço do dia-a-dia, um lanche rápido na feira (junto daquele copo de caldo de cana gelado), ou ainda um belo petisco para servir com cerveja: eis a receita de hoje.
Depois de experimentar as quatro receitas que encontrei nos cadernos da minha avó Nelci, escolhi aquela que ficou do jeitinho do pastel que ela preparava, e aqui vai.


O clichê a que o título de refere sou eu própria, yours truly. Como assim? Assim:

Assim, tenho passado um bom tempo em casa, cozinhando e escrevendo, e organizando o blog, e chega uma hora que dá um bode e preciso mudar de cenário. Aí está o clichê: apesar de ter muitas pautas em mente, deu uma certa falta de inspiração para escrever. Então fui a um café, e de repente não consigo parar de desenhar letras sobre o papel.
Geralmente, um parque perto da minha casa é o meu quintal. Mas com a chuvinha boa que está caindo, decidi ir conhecer este lugar onde queria ir há tempos. Me apaixonei.
Inclusive porque no trajeto à pé as idéias vão tomando forma sem que a gente nem perceba.

Quanto ao inusitado, é que outro dia me deparei com um belo maço de beterrabas que estava sem destino em casa, já que ando mais interessada nas ramas das beterrabas do que nelas próprias. Me lembrei de um vídeo todo bonitinho que uma amiga recomendou tempos atrás, onde aparecia a receita de um bolo sem farinha, de chocolate com beterraba. Ta aí uma combinação que eu não pensaria se ninguém me contasse que existe. E, olha, que delícia!