Logo-2017

1

Café gelado de véspera, treinando a mente ninja.

17/10/2014 - 1 Comentários - Receitas | Bebida, Café, Café da manhã, Especiarias, Leite, Leite vegetal, Mel, Vegano

Lembra uma vez que eu disse um dos motivos que me faz considerar avós tão ninja?
Elas são sensacionais! Não importa que alguma coisa saia errada ou fora do esperado, elas têm uma habilidade inacreditável de transformar alguma coisa em outra coisa. Uma que dê certo. 
Isso é particularmente verdade na cozinha, mas se aplica a outras áreas do conhecimento, com certeza. 
Eu, que estou longíssimo de ser avó, pelo menos posso ir treinando meu lado ninja desde já.

Acontece que nos últimos tempos meu namorado e eu temos nos interessado um bocado por café. Temos experimentado variedades especiais, torras diferentes, acidez assim, aroma assado... Não que sejamos grandes entendedores do assunto, mas gostamos bem.
Aí, em um dia em que eu *precisava* beber café com o bolo que havia preparado, tava sem nem um grão em casa.
Bom, que dúvida? Desci no mercadinho da esquina e comprei café em pó mesmo, de uma marca comum. 
Pra minha surpresa, o paladar não gostou. Não achou nem ok. 
Ora, veja só, fiquei mal acostumada!
Aí é que precisei pôr a mente pra funcionar: como lidar com ½ kg de café que não gostei nadica?

Lembrei de ter lido, há uns dois ou três anos, em um blog americano (que já não sei qual é, infelizmente) sobre a idéia de preparar café gelado fazendo a infusão a frio. E foi isso mesmo que eu fiz: 
juntei 1 xícara de água filtrada fria a 2 colheres de sopa de café torrado e moído em um vidro com tampa e deixei a mágica acontecer durante a noite na geladeira.

Há um porém: este café comum que a gente compra em super mercado vem moído fino, pois serve para preparar café coado (seja com filtro de pano ou de papel). Como eu côo o meu café frio com peneira, sobram uns grãozinhos na bebida. Seria melhor prepará-lo usando uma moagem mais grossa, como a que se usa para a cafeteira italiana (também conhecida como mocha ou Bialetti – que, aliás, é minha escolha para o preparo do café quotidiano). Como a questão era lidar com o café que já estava em casa, paciência com os grãozinhos.
Testei coar forrando a peneira com um guardanapo de papel (dá pra ver em uma foto mais adiante no post), mas não foi uma solução muito boa, pois o líquido escoou terrivelmente devagar.

Em alguns dias coei a bebida pela manhã e tomei assim purinho. E tchã: deu certo!
Em outros, adicionei especiarias ao café e à água na hora antes de levar à geladeira. Duas combinações particularmente gostosas são:
1/8 colher de chá pimenta da Jamaica
¼ colher de chá de canela em pó
1 pitada de alcaçuz em pó

OU

2 cápsulas de cardamomo (apenas as sementes)
1/8 colher de chá de canela em pó
¼ colher de chá de extrato de baunilha

Às vezes incluo 1 colher de chá de cacau puro em pó, e apesar de não ter o hábito de adoçar, já aconteceu de acrescentar 1 colher de chá de mel (esse, só na hora de servir).

Houve cafés frios preparados com leite no lugar da água, e outros aos quais adicionei leite na hora de servir, mesmo fazendo infusão com água. [Ando usando leite vegetal caseiro, pretendo não demorar pra publicar um post sobre isso. Cês se interessam?]
Acho particularmente gostoso beber café frio no meio de tardes quentonas e no início de manhãs que começam cedo demais. Como vocês podem ver, não usei gelo, mas dependendo da temperatura umas pedrinhas são bem-vindas.

O principal é: lembrar de tampar bem o vidro onde a infusão vai acontecer, para evitar de oxidar a bebida (quando os alimentos oxidam, perde-se nutrientes e o gosto fica menos gostoso); deixar a mistura descansar na geladeira tempo suficiente para que a água adquira o gosto e o aroma dos ingredientes (entre 3 e 10 horas, mais ou menos); e ajustar a proporção água/café para o paladar de quem vai beber.

Vocês gostam de café gelado? Como aproveitariam 1/2 kg de um café que não gostassem?

30/10/2014 21:59:28

Jo

Comentário
Ai, Fro, que amor tudo isso... Hoje mesmo Laurs e eu comentamos sobre os obstáculos gustativos que criamos a partir da experiência de provar algo mais artesanal, ni caso, o café. Dessa vez só tomei café torrado de véspera e moído na hora. O resultado foi bem esse daí que você conta, o paladar " enfrescurou" para café comum. Em Londrina, uma grande amiga minha aproveita as sobras de café de uma maneira interessante: ela congela em formas de gelo e, no outro dia pela manha, faz uma vitamina com abacate, mel, cubos de gelo de café, uma pitada de cacau e canela em pó. E acredite, fica bão demais da conta! Se isso acontecesse comigo, eu apostaria da vitamina dos campeões, como Paula Nunes a batizou. Grande beijo pro ceis!

Resposta da Flora
Jojo! Que bom saber que não fomos só nós que ficamos mal acostumados com café bacana. rs To querendo assinar um clube de café, é tipo "have a nice beer", sabe? Só que em vez de cerveja todo mês se recebe café de uma fazenda diferente, fresquinho e cheio de histórias. Quero mais o quê, né? Vou experimentar essa idéia de vitamina da Paula, daí te dou notícias. Beijo!

Deixar um Comentário